Pular para o conteúdo principal

Começa restauro da Igreja de Nossa Senhora da Ajuda, em Viana

Foi anunciado na última segunda-feira (21) o início dos trabalhos de restauro e readequação da Igreja de Nossa Senhora da Ajuda, monumento do século XVIII tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), autarquia federal vinculada à Secretaria Especial da Cultura e ao Ministério do Turismo. O templo se localiza no distrito de Araçatiba da cidade de Viana. A Igreja é a única construção arquitetônica que restou da antiga fazenda de Araçatiba.

Igreja Nossa Senhora da Ajuda, em Viana. (FOTO: Divulgação/Prefeitura de Viana)
O projeto será realizado por meio do edital Resgatando a História, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), em parceria com a EDP e o Instituto Cultural Vale. Além das obras de restauração, fazem parte do projeto a criação de um Centro Interpretativo, em imóvel anexado. O Centro dará ao bem cultural uma linguagem nova, mais interativa, que permitirá ao público conhecer melhor a história e a cultura do local.

Após o restauro do templo, a Prefeitura de Viana contribuirá com a manutenção do espaço, sendo responsável por limpeza, iluminação pública e serviços de conservação.

A solenidade que oficializou o início dos trabalhos de restauro e readequação contou com as presenças do Arcebispo de Vitória, Dom Dario Campos; do Secretário-Executivo do Ministério do Turismo, Marcos José Pereira; do Prefeito de Viana, Wanderson Bueno; da Presidente do Instituto Modus Vivendi, Erika Kunkel; da superintendente do Iphan-ES, Elisa Machado Taveira; de representantes dos patrocinadores BNDES, EDP e Instituto Cultural Vale e outras autoridades, incluindo o Governador do Estado, Renato Casagrande, e a vice-governadora, Jaqueline Moraes.

A superintendente do Iphan no Espírito Santo, Elisa Machado Taveira, disse que é com muita alegria que o Iphan acompanha o início de mais um projeto para a proteção e valorização do Patrimônio Cultural Brasileiro. "Os jesuítas tiveram papel fundamental no território capixaba e a restauração da Igreja de Nossa Senhora da Ajuda permitirá que a história desse local seja fomentada, bem como preserva esse importante bem cultural tombado pelo Iphan em 1950", afirmou.

Para Erika Kunkel, presidente do Instituto Modus Vivendi, este projeto é muito importante para a preservação da memória e da cultura locais. "Ele resgatará uma relevante época, que marca a presença dos Jesuítas no Espírito Santo, além de contribuir para o desenvolvimento da região. Tenho orgulho de realizar trabalhos como este, que permitem aos capixabas conservar sua identidade, seu conhecimento e sua história", diz ela.

Erika destaca ainda que desenvolveu um afeto muito especial por Araçatiba ao saber de todo o carinho e dedicação de seus moradores, por séculos, para preservar a história deste importante monumento.

Fachada principal da igreja em registro de 2015. (FOTO: Simone Pires/Iphan)
"A Iniciativa Resgatando a História é um marco na atuação conjunta entre o setor público e a iniciativa privada para a preservação do nosso passado, da nossa história e da nossa cultura. Mas vai além. O patrimônio histórico nacional é também um importante vetor de desenvolvimento econômico e social. O apoio ao restauro e implantação de um centro de interpretação na Igreja de Nossa Senhora da Ajuda tem esse olhar mais amplo, que busca a preservação física, mas representa uma oportunidade de desenvolvimento local, com impactos positivos para o turismo, para a cultura e para a educação", destaca Fabrício Brollo, gerente de Desenvolvimento Urbano, Cultura e Turismo do BNDES.

O restauro da Igreja de Araçatiba faz parte do projeto de desenvolvimento turístico que marca a presença dos Jesuítas no Espírito Santo, na época do Brasil Colônia. Trata-se do mais completo e importante roteiro jesuítico do Brasil, com 137 quilômetros. Com origem no Santuário Nacional de São José de Anchieta, em Anchieta, passa por Araçatiba, em Viana, e pelo Palácio Anchieta, em Vitória, para terminar na Igreja de Reis Magos, em Serra.

Memória
De acordo com a historiadora Maria José dos Santos Cunha, em 1549, com D. João III (1521-1557), a Companhia de Jesus entrou no Brasil, sendo o nosso país a primeira Província jesuíta na América. "Começaram por se instalar em Salvador e em 1551 fundaram na vila de Nossa Senhora da Vitória o que viria a ser o Colégio de Santiago, edificado sobre terreno doado para o efeito. Progressivamente, estabeleceram missões em aldeias e, para o suporte financeiro dos colégios, instituições mantenedoras, criaram fazendas a partir da compra de terrenos e de doações testamentárias", destaca.

Ainda segundo Maria José, a sede da fazenda Araçatiba, localizada no atual município de Viana, com a igreja de Nossa Senhora da Ajuda, teve residência desde 1716 e foi, desde o início, vocacionada para a produção de açúcar, aguardente e mel. "Até à expulsão dos jesuítas foi, em extensão, a maior das fazendas que possuíram. Para escoamento da sua intensa produção e proximidade a Vitória, acabou por beneficiar da construção do canal de Camboapina, obra dos jesuítas, com duas léguas para transvase entre o rio Jucu, que corre no interior da propriedade, e a baía de Vitória, na qual os jesuítas mandaram fazer um pequeno porto próximo do colégio", relata.

Vista frontal do monumento em 1979. (FOTO: Vitor Hugo Nogueira/ Biblioteca IJSN)

Comentários

Mais lidas

Samba e pagode para curtir a estreia do Brasil na Copa do Mundo

Marien Calixte Jazz Music Festival neste fim de semana, em Vila Velha

Roberto Carlos foi um dos últimos a falar com Erasmo Carlos: “Minha dor é muito grande”