Pular para o conteúdo principal

Morre aos 56 anos o ator e diretor Wilson Nunes

O cantor, ator e diretor de teatro Wilson Nunes morreu nesta terça-feira (16), em Vila Velha. O falecimento ocorreu por volta das 2h40 no Hospital Evangélico, onde Wilson estava internado desde a última semana devido a problemas respiratórios. A causa oficial da morte não foi divulgada.

Wilson Nunes teve trabalhos de destaques no teatro e nos meios de comunicação do Espírito Santo. (FOTO: Reprodução/Facebook)

O velório teve início por volta de 12h e o enterro está marcado para às 16h30, no cemitério Jardim da Paz, na Serra. Wilson deixa duas irmãs e três sobrinhas, além de muitos amigos do teatro, da música e da comunicação. Segundo o Padre Roberto Camilatto, reitor da Basílica do Santuário Basílica de Santo Antônio, a Missa desta terça-feira (16) às 19h, no local, será em intenção do artista.

Carreira
Wilson Nunes começou sua carreira artística como cantor no Festival de Música de Santa Tereza em 1981. Cantou em várias casas noturnas de Vitória e no litoral do Estado. Em 1982 recebeu convite do ator Milton Neves (Vovó Bina) para trabalhar em sua agência de festas infantis, passando a representar o personagem de Papai Noel.

Em 1983, já tendo trabalhado com Milton Neves, foi chamado para interpretar o personagem O Guarda Real, na peça O Gato Playboy, de Paulo Pinheiro. Na década de 1990, depois de ter estralados diversos comerciais em vídeo, ele estrelou ao lado de Marlon Christie, Tadeu Schneider e Gilberto Helmer em Os Gatos do Beco, escrito e dirigido por Alvarito Mendes Filho. Começou aí a carreira solo como ator, desvinculado de grupos teatrais fixos.

Em 1996 começou a trabalhar em locuções para rádio e TV e no ano seguinte estreou como autor e diretor no espetáculo Minha Sogra 44. Em 1999 trabalhou como assistente de direção na peça O Boom da Poluição, de Milson Henriques, com direção de Alvarito Mendes Filho. Em 2000 estreou como carnavalesco da escola de samba Andaraí que aceitando a sugestão do mesmo, homenageou Milson Henriques na avenida.

Em 2010, apresentou a peça Minha Empregada é de Matar 3 - 10 Anos Depois, nas funções de escritor, diretor, produtor e ator, e em 2012, com a peça No Tempo do Vinil, como produtor, diretor e ator. Atualmente, o capixaba participava de sorteios de promoções na Rede Tribuna.

Comentários

Mais lidas

Clássicos dançantes na Noite do Flashback, em Vitória

Volapuque lança primeiro disco experimental com show em Vitória