Pular para o conteúdo principal

Livro sobre índios botocudos é lançado em Vitória

O Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo (IHGES) lançará em sua sede, na próxima quarta-feira (13), o livro Índios Botocudos do Espírito Santo no século XIX. A obra de Paul Ehrenreich - destacado antropólogo alemão que estudou medicina e história natural - tem organização e notas de Júlio Bentivoglio, associado e professor da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES); inclui fotos de Walter Garbe; e tradução de Sara Baldus.

O lançamento ocorrerá à partir de 17h00 e será precedido de uma palestra do organizador do livro. A sede do IHGES fica na Avenida República, 374, Centro de Vitória.

Livro sobre índios botocudos será lançado nesta quarta-feira (13) na sede do IHGES, em Vitória. (FOTO: Divulgação/APEES)
O livro
O livro apresenta um dos primeiros e mais completos relatos sobre os índios botocudos que habitavam o Norte do Estado. O texto foi publicado originalmente em 1887 na Revista de Etnologia, da Sociedade Berlinense de Antropologia, Etnologia e História Primitiva. Trata-se de um estudo que apresenta rigor descritivo e analítico e traz, além da escrita sobre os hábitos e costumes, imagens ilustrativas que permitem visualizar o cotidiano dos indígenas.

O autor começou suas pesquisas de campo no Brasil em 1884, quando analisou os índios do Rio Doce. Retornou ao país entre os anos de 1886 a 1888. Passou pelas províncias do Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Pará, Amazonas, Mato Grosso e Goiás, nas quais percorreu rios e matas em arriscadas expedições. Nelas empreendeu a descrição etnológica e dos aspectos físicos e morfológicos.

A narrativa está situada entre o relato de viagem e o artigo de divulgação científica e permite conhecer melhor os botocudos e também a visão que se tinha sobre eles, tendo em vista a percepção das relações sociais e de diferenças culturais que permeiam as observações. Representante do interesse europeu pelos indígenas e pela natureza do Brasil, Ehrenreich realizou um estudo minucioso e se insere no conjunto de relatos de viagens produzidos na época, que despertavam o interesse dos leitores estrangeiros pela descrição das características naturais e dos povos indígenas.

Comentários

Mais lidas

Peregrino das Artes faz grafite decor na residência de músico capixaba

Série capixaba "Não Sabe Brincar, Não Desce to Play" estreia dia 13 de setembro

Congo é sinônimo tradição e cultura no Espírito Santo