Pular para o conteúdo principal

Choque de vibração com a música eletrônica

A música eletrônica e suas batidas lembram a alegria e renovam as pessoas, mas por questões históricas os festivais até os dias de hoje são mal vistos pela sociedade. 

O estilo nasceu em 1948, na França, com o Concerto de Ruídos, criada por Pierre Schaeffer. Suas vertentes foram difundidas principalmente a partir da década de 70 na Alemanha, na Inglaterra e nos EUA.

Jess Benevides é um dos principais nomes da música eletrônica no Estado e no Brasil. (FOTO: Divulgação/Jess)
Na década de 80 surgiram as festas eletrônicas conhecidas como raves e para elevar a consciência acreditava-se que era necessário o uso de drogas, especialmente LSD, e da música repetitiva. Atualmente, um dos festivais mais conhecidos é o Tomorrowland, realizado na Bélgica. Essas festas chegam forte no Brasil, quando a música eletrônica se expande no País. Atualmente um dos principais DJs brasileiros é Alok (GO), classificado como o 13º melhor DJ do mundo pela revista DJ Mag.

No Espírito Santo, atualmente o principal festival é a Equilibrium, que é realizada em Vila Velha. A DJane Nith se apresentou pela primeira vez na última edição do evento capixaba e lembra que existe um certo preconceito de pessoas conservadoras com relação ao estilo por conta do passado. “As pessoas acham que todo mundo na festa usa drogas. É possível curtir uma rave sem usar nada. A música já contagia e deixa a galera vibrante”, garante. 

Jess Benevides é um dos principais nomes da música eletrônica do Estado e também do Brasil. Ela afirma que os lines up das festas precisam de maior presença de mulheres. Um exemplo é a própria Equilibrium, que de 26 atrações, apenas três eram mulheres. "A cena precisa de mais mulheres nos lines das festas, mas que realmente saibam tocar e não estejam lá só para aparecer. A paixão e o conhecimento pela música devem prevalecer tanto para homens quanto para mulheres”, diz a capixaba.

O técnico em hemoterapia Queiliton Brito está sempre presentes em festa a exemplo da Equilibrium Festival. (FOTO: Arquivo pessoal)
O técnico em hemoterapia Queiliton Brito se considera bem eclético quanto as vertentes da música eletrônica, mas tem ouvido trance progressivo, que é mais calma. “Comecei curtindo deep e gostei da vibe. Sou bem eclético e passo tranquilo por todas as vertentes da música, porém atualmente estou mais ligado ao trance progressivo”. 

O jovem curte as festas eletrônicas pelo ES e diz que há uma grande união. “Percebo nas pessoas que vão as festas uma união, todo mundo é amigo de todo mundo e as pessoas se ajudam. E gosto da forma como os núcleos de festa lidam com os participantes. Tem muito carinho envolvido em todos os detalhes”, finaliza Brito.

Comentários

Mais lidas

Grande dia com os desfiles do Grupo Especial no Carnaval de Vitória 2020

PÁGINA - Especial do Carnaval 2020

Agenda Capixaba #31