Pular para o conteúdo principal

História: 60 anos de desfiles no carnaval capixaba

Trio elétrico em ruas de Vila Velha em 1974. (FOTO: Acervo/Casa da Memória VV)
Na tarde da última terça-feira (10), a Mocidade Unida da Glória (MUG), fundada em 9 de agosto de 1980, recebeu o título de campeã do carnaval capixaba de 2015, sendo o quinto título da escola de samba da Glória, em Vila Velha. Mas a história do carnaval capixaba começou muito antes disso, há pelo menos 60 anos.

Início
O primeiro desfile de escolas de samba do Espírito Santo aconteceu em 1955. Em 1956, a Unidos da Piedade, fundada um ano antes, já desfilava com comissão de frente, mestre-sala e porta-bandeira, bateria, fantasias e alegorias. E foi neste ano que a escola ganhou o nome que tem até hoje. Em 1957, havia três escolas: a Unidos da Piedade, a Acadêmicos do Moscoso e a Império da Vila, atual Novo Império. 

O primeiro desfile competitivo aconteceu em 1958, na Avenida Jerônimo Montero. Em 1967, a Piedade não desfilou por falta de recursos. Em 1973, voltou ao carnaval e realizou um feito inédito e não alcançado por nenhuma outra escola até hoje, conquistando o pentacampeonato (de 1973 a 1977). Assim, como a Portela que, no Rio de Janeiro, nunca mais ganhou um carnaval depois que o desfile passou a acontecer no sambódromo, a Unidos da Piedade também nunca mais ganhou um título capixaba depois da inauguração do Sambão do Povo. Por isso, ela é conhecida como a Portela capixaba.

MUG é a mais nova campeã do carnaval de Vitória. A escola conquistou seu 5º título em 2015. (FOTO: André Sobral/PMV)
Primeiro samba-enredo e o Sambão do Povo
Até a década de 60, as escolas desfilavam ao som de vários sambas com o mesmo enredo. O primeiro samba-enredo capixaba foi composto em 1962 por Mário Benedito Ramos, para a Unidos da Piedade. O samba homenageava o aviador Alberto Santos Dumont. O primeiro disco oficial com os samba-enredos capixabas foi gravado em 1984.

Também na década de 80, o Sambão do Povo foi idealizado e construído. A inauguração aconteceu em 1987. O Sambão do Povo foi o segundo a ser construído no Brasil. O primeiro foi o do Rio de Janeiro, inaugurado em 1985. Na estreia do Sambão, as escolas que participaram do desfile foram divididas em dois grupos: no grupo A estavam as mais tradicionais, no grupo B, as demais, como Imperatriz do Forte, Rosas de Ouro, Unidos de Jucutuquara e Lira do Moscoso, as duas últimas recém-criadas.

A verba pública, que desde o início era destinada às escolas, foi cortada em 1992. As escolas já passavam por períodos conturbados de disputas internas e, no ano seguinte, os desfiles deixaram de acontecer. Em 1998, o desfile voltou a acontecer, mas na Avenida Jerônimo Monteiro. Somente em 2002, ele retornaria ao Sambão do Povo. Atualmente, existem 14 escolas de samba em atividade no Espírito Santo, sendo a nova campeã Mocidade Unida da Glória (MUG), a Unidos de Jucutuquara, a Independentes de Boa Vista, a Chegou O Que Faltava, a Independente de São Torquato, a Unidos da Piedade, a Rosas de Ouro, a Tradição Serrana, a Novo Império, a Pega no Samba, a Andaraí, a Chega Mais, a Imperatriz do Forte, e a Unidos de Barreiros.

Comentários

Mais lidas

Peregrino das Artes faz grafite decor na residência de músico capixaba

Série capixaba "Não Sabe Brincar, Não Desce to Play" estreia dia 13 de setembro

"Zona de Conforto": Islan MC lembrará de momentos da carreira em novo álbum