Pular para o conteúdo principal

História: 60 anos de desfiles no carnaval capixaba

Trio elétrico em ruas de Vila Velha em 1974. (FOTO: Acervo/Casa da Memória VV)
Na tarde da última terça-feira (10), a Mocidade Unida da Glória (MUG), fundada em 9 de agosto de 1980, recebeu o título de campeã do carnaval capixaba de 2015, sendo o quinto título da escola de samba da Glória, em Vila Velha. Mas a história do carnaval capixaba começou muito antes disso, há pelo menos 60 anos.

Início
O primeiro desfile de escolas de samba do Espírito Santo aconteceu em 1955. Em 1956, a Unidos da Piedade, fundada um ano antes, já desfilava com comissão de frente, mestre-sala e porta-bandeira, bateria, fantasias e alegorias. E foi neste ano que a escola ganhou o nome que tem até hoje. Em 1957, havia três escolas: a Unidos da Piedade, a Acadêmicos do Moscoso e a Império da Vila, atual Novo Império. 

O primeiro desfile competitivo aconteceu em 1958, na Avenida Jerônimo Montero. Em 1967, a Piedade não desfilou por falta de recursos. Em 1973, voltou ao carnaval e realizou um feito inédito e não alcançado por nenhuma outra escola até hoje, conquistando o pentacampeonato (de 1973 a 1977). Assim, como a Portela que, no Rio de Janeiro, nunca mais ganhou um carnaval depois que o desfile passou a acontecer no sambódromo, a Unidos da Piedade também nunca mais ganhou um título capixaba depois da inauguração do Sambão do Povo. Por isso, ela é conhecida como a Portela capixaba.

MUG é a mais nova campeã do carnaval de Vitória. A escola conquistou seu 5º título em 2015. (FOTO: André Sobral/PMV)
Primeiro samba-enredo e o Sambão do Povo
Até a década de 60, as escolas desfilavam ao som de vários sambas com o mesmo enredo. O primeiro samba-enredo capixaba foi composto em 1962 por Mário Benedito Ramos, para a Unidos da Piedade. O samba homenageava o aviador Alberto Santos Dumont. O primeiro disco oficial com os samba-enredos capixabas foi gravado em 1984.

Também na década de 80, o Sambão do Povo foi idealizado e construído. A inauguração aconteceu em 1987. O Sambão do Povo foi o segundo a ser construído no Brasil. O primeiro foi o do Rio de Janeiro, inaugurado em 1985. Na estreia do Sambão, as escolas que participaram do desfile foram divididas em dois grupos: no grupo A estavam as mais tradicionais, no grupo B, as demais, como Imperatriz do Forte, Rosas de Ouro, Unidos de Jucutuquara e Lira do Moscoso, as duas últimas recém-criadas.

A verba pública, que desde o início era destinada às escolas, foi cortada em 1992. As escolas já passavam por períodos conturbados de disputas internas e, no ano seguinte, os desfiles deixaram de acontecer. Em 1998, o desfile voltou a acontecer, mas na Avenida Jerônimo Monteiro. Somente em 2002, ele retornaria ao Sambão do Povo. Atualmente, existem 14 escolas de samba em atividade no Espírito Santo, sendo a nova campeã Mocidade Unida da Glória (MUG), a Unidos de Jucutuquara, a Independentes de Boa Vista, a Chegou O Que Faltava, a Independente de São Torquato, a Unidos da Piedade, a Rosas de Ouro, a Tradição Serrana, a Novo Império, a Pega no Samba, a Andaraí, a Chega Mais, a Imperatriz do Forte, e a Unidos de Barreiros.

Comentários

Mais lidas

TEMPO REAL: 'Equilibrium 8 Anos'

Destaques OMMC #31

Destaque da cena musical capixaba, Solveris comanda show na SubTrópico

Auri e Zé Maholics mostram a força da cena autoral capixaba em Vitória