Pular para o conteúdo principal

Culturalize chega à terceira edição neste sábado (06), na Faesa

No próximo sábado (06), é a vez de ampliar o entendimento sobre o que envolve aquilo que se faz de mais essencial na comunicação: narrar histórias. Jornalistas e Publicitários vão se reunir no Auditório Central da Faesa Centro Universitário, das 8h às 11h, para saber mais e debater o tema “Narrativas, sentidos e construção social”. Isso porque quando contamos histórias, seja no dia a dia aos nossos amigos e parentes, seja atuando profissionalmente, escolhemos palavras, gestos e imagens. Quando nos colocamos na função de narradores, queremos dar conta de construir ou reconstruir momentos, fatos, lembranças; e a escolhas dos recursos impacta nas interpretações porque sobretudo nos empenhamos na construção de sentidos.

O último Culturalize reuniu centenas de estudantes de Comunicação Social. (FOTO: Gustavo Andrade/OMMC)
Como o tema é complexo, fica o convite para refletir de forma crítica sobre as escolhas que fazemos durante qualquer processo de construção de comunicação. Certamente, estando atento a esse novo repertório, a sua prática se torna mais reflexiva, diferente, ética e responsável. 

Culturalize
“O Culturalize tem como objetivo geral a ampliação de repertório dos alunos da Faesa Centro Universitário, possibilitando entendimentos e reflexões sobre a realidade social; compreendendo que a atuação profissional não se baseia apenas em técnica, mas em permanente crítica do próprio fazer”, ressaltou Juliana Santos, professora idealizadora do projeto. 

PROGRAMAÇÃO 
Dia: 06 de outubro de 2018 
Horário: 8h às 11h 
Local: Auditório Central da Faesa 

Tema: Narrativas, sentidos e construção social 
Participantes: 
Prof. Mestre Paulo Vitor Saiter (FAESA) 
Profa. Doutora Fernanda Helena Freitas (FAESA) 
Profa. Mestre Mirella Bravo (FAESA)
Prof. Especialista Lúcio Manga (CBN)

Comentários

Mais lidas

TEMPO REAL: 'Equilibrium 8 Anos'

Destaques OMMC #31

Destaque da cena musical capixaba, Solveris comanda show na SubTrópico

Auri e Zé Maholics mostram a força da cena autoral capixaba em Vitória